quinta-feira, 20 de outubro de 2016

AUTO ESPORTE

Auto - Esporte/1983
Fonte: Ceillan
Auto Esporte Clube é uma agremiação da cidade de Teresina (PI). O Calhambeque‘ foi Fundado no dia 1º de Maio de 1951, por uma cooperativa de motoristas autônomos, que na época faziam serviços de frete e táxi.  A sua Sede fica localizada na Rua Clodoaldo Freitas, 1.387, no Centro de Teresina; e manda os seus jogos no Estádio Lindolfo Monteiro, o ‘Lindolfinho’, com capacidade para 12.760 pessoas.
Considerado o ‘Segundo time dos piauienses‘, o Auto Esporte viveu um momento negro, quando, entre 1976 a 1981, ficou cinco anos ou 41 jogos sem vencer um jogo. Esse foi o recorde negativo da história do ‘Calhambeque’. Contudo, a grande redenção veio dois anos depois, quando conquistou o título inédito do Campeonato Piauiense da 1ª Divisão de 1983. Também possui o Tri do Torneio Início em 1954, 1963 e 1990.
Time campeão de 1983: Marquinhos; Vidal, Osmary, Bega e Eduardo Catita; Durval, Aníbal e Joãozinho; Robert, Dão e Paulo César Vilarino. Técnico: Cesarino Oliveira.
Curiosidade
É do Auto Esporte o primeiro contrato de atleta profissional registrado junto à Federação Piauiense de Desportos, em 1963. Trata-se da contratação de Das Chagas, jogador que tinha disputado dois campeonatos pelo Flamengo.
Um dia da caça… E no outro do caçador
No dia 20 de novembro de 1960, pelo campeonato estadual, Auto Esporte aplicou uma sonora goleada de 12 a 1 no Santa Cruz, com 3 gols de Capote. Contudo, em 15 de junho de 1966, também pelo campeonato estadual, o Auto Esporte levou uma goleada de 10 a 1 do Botafogo. Em 1980, novo massacre: River 12 a 2.
Na conquista de seu único título, de 1983, destaque para a goleada de 9 a 0 aplicada no Comercial, com 5 gols do grande artilheiro Sima, em 25 de agosto de 1983. Na final venceu o Piauí por 2 a 1, arbitragem de José Leandro de Castro Serpa, do Ceará.
O time da final contou com: Marquinhos; Vidal, Osmary, Bega e Eduardo Catita; Durval, Aníbal (Celso) e Joãozinho; Robert, Dão (Israel) e Paulo César Vilarinho. Além desses, participaram do elenco campeão: Alberto, Neto, Reinaldo (goleiros), Berício, Ferreira, Marcos, Ari, Sima, Olivan, Nivaldo Chapéu, Malta, Cláudio e Nico.
O técnico durante o torneio foi Cesarino Oliveira Sousa (atual presidente da Federação Piauiense de Futebol), à exceção de uma partida, em que o comando esteve com Edmar Brito de Vasconcelos. O Presidente do Auto Esporte, na época, era Milton Ferreira de Oliveira.
Sima (Simão Teles Bacelar), o maior artilheiro do Piauí, quando jogava no Auto Esporte em 1983, foi convocado pelo técnico Aymoré Moreira para a seleção do Norte/Nordeste, que fez um jogo beneficente contra a seleção do Ceará, em Fortaleza.
Em 15 de janeiro de 1984, em amistoso, o campeão de 1983 derrotou a Seleção Piauiense por 4 a 3. Graças ao título de 1983, o Auto Esporte conquistou uma vaga para disputar a 1ª divisão do Campeonato Brasileiro de 1984.
Campanha: nove jogos, com três vitórias e seis derrotas; marcando 10 gols (com 5 tentos de Sima), 19 gols contra, saldo negativo de 9. O resultado marcante foi a vitória de 3 a 2 sobre a Portuguesa de Desportos, em Teresina, no dia 22 de fevereiro de 1984, com 2 gols de Sima.
Participações em campeonatos
Última participação no campeonato estadual: 1994: 9° (em 10 participantes).
1 participação na 2ª divisão do brasileiro: 1991: 26° (em 64).
1 participação na 1ª divisão do brasileiro: 1984: 31° (em 41).
Artilheiros do campeonato estadual
Em 1968, Araújo, com 10 gols. Em 1983, Sima, com 22 gols.
Em 1990, Aníbal, com 7 gols.
Em 2012, Rosenberg Peixoto, o ‘Capital Bega’, então presidente do clube e ex-jogador que fez parte do grupo que se sagrou campeão Piauiense de 1983, desenvolveu um projeto de revitalização do clube tanto no aspecto social quanto na sua infraestrutura.
Fonte: Livro ‘Auto Esporte’: uma história, do autor Gustavo Saad – Laércio Becker

sexta-feira, 20 de maio de 2016

Ferroviário Atlético Clube de Floriano

Time do Ferroviário dos anos cinquenta. Época em que o doutor Nazareno Araújo era o dirigente responsável e comandava o grande apogeu da equipe.

Ferrim dos anos de 1950

Da foto, da esquerda para a direita, em pé, temos Cajazeira (aposentado do BNB, morando em Teresina e antigo funcionário da Casa Inglesa), Fortaleza, Sinésio (que veio de Campina Grande), Raimundo Fumaça (de Campo Maior), Pepedro e Mc Donald.

Agachados, o famoso Popó (de Teresina), o goleiro Dodó, Pelado, Augusto, Zezeca (aposentado do BB) e Walter Moleza, posando no estádio José Meireles no final dos anos cinquenta.

Quanto ao garoto propaganda, trata-se do advogado Jusmar Leitão, hoje morando em Floriano.

quarta-feira, 11 de maio de 2016

Professor Vilmar, uma lenda viva do futebol piauiense

Vilmar - Antes e depois

Reportagem: César Augusto

José Vilmar Rodrigues da Silva, Nascido em 21.08.1934, em Floriano-PI, portanto com os seus 71 anos de idade, com toda simplicidade que lhe é característica, com a falência da visão (desde 1979), mas com um coração grande para o futebol, Professor Vilmar (nome a ele atribuído pelo Professor Carlos Said – o Magrão de Aço – da Rádio Pioneira de Teresina), conta-nos a sua história no futebol profissional do Maranhão e do Piauí.

Em 1949-1950, Professor Vilmar, apoiado e incentivado por sua mãe D. Teodora, fundou o Ferroviário de Floriano, juntamente com Clovis Ramos, Adalto perna de gato, Nelson Oliveira, Merval Lúcio, Deusdete Macarrão, entre outros. Em 1953, a partir de um olhar e descoberta do Deputado Estadual-MA Temístocles Teixeira, foi atuar no Vitória do Mar (de São Luiz-MA), atuando na posição que lhe destacava com suas belas jogadas de Meio-esquerda.

Depois atuou no Moto Clube, ficando até 1956. Voltando a Floriano, ficou no Ferroviário até 1960. No mesmo ano voltou para São Luiz – MA, para uma nova atuação no Vitória do Mar. “Esta foi a minha melhor fase”, diz o Professor Vilmar. Em dezembro de 1960, foi contratado pelo RIVER de Teresina.

Professor Vilmar (com apenas com 49 Kg) lembra alguns nomes da formação do RIVER nesta época: Antonio Luiz, Cachambú, Astolfo, Marcos, Ventura, Murilo, Quincas, Dos Santos, Fortaleza, Diderô, Tomé etc. Em 1961, disputando o Campeonato Piauiense de 1960, consegue o seu 1º título de Campeão Piauiense pelo RIVER, justamente contra o adversário mais ferrenho Flamengo de Teresina de: Raimundo Manga, Joel, Maneca, Matintin, Zé do Braga, Paulinho, Maçarico, Zé Carneiro, entre outros. Em 1962, novamente sagrou-se campeão novamente contra o Flamengo e em 1963, de novo campeão, desta feita na disputa contra o Caiçara (de Campo Maior).

Segundo o Professor Vilmar esta foi a partida que mais marcou a sua carreira no futebol. Em 1964 e 1965, perdeu o título para o Flamengo. Em 1966, o RIVER foi desclassificado pelo Ferroviário de Floriano, composto por: Bagana, Antonio Ulisses, Pompéia, Pepeto, Valdimir, Valdivino, Reginaldo, Sadica etc. Perguntado sobre o gol mais bonito da sua carreira, Professor Valmir, com toda simplicidade diz: “Os meus gols todos eram bonitos”.

Contudo destaca que na partida entre o Vitória do Mar contra o Maranhão, atuando como meia direita, driblando dois adversários: Pirú Branco e Pirú Preto, era madeira de dá em doido, chutou uma “bomba”, pegou na veia, a bola bateu na trave, voltou, matou novamente no peito e fez o que ele considera o seu mais belo gol, estufando a rede do adversário. Professor Vilmar permaneceu no River até 1969, depois ficou mais 6 meses no Auto Esporte e em 1970, retornou para Floriano.

Profª Vilmar, você lembra de algum lance espetacular que a torcida riverina jamais esquece? Lembro, respondeu ele, foi uma jogada de corpo sem querer, parecida com uma jogada do Mané Garrincha, aquela que ele deixa a bola e o adversário sai atrás dele, só que a minha jogada, eu esqueci mesmo da bola e o adversário ficou perdido, foi bonito o lance, foi uma zueira total da torcida riverina. Muito amigo e conhecido do Garrincha, um prego na chuteira, Professor Vilmar lembra que certa vez Garrincha perguntou a ele: “O futebol foi muito ingrato pra você?”.

O Professor Vilmar respondeu: “Não! Eu foi que fui ingrato para o futebol, pois ele me deu todas as oportunidades e eu não soube aproveitar”. À nossa reportagem ele acrescentou: “O jogador tem que ter a cabeça no lugar, pois a vaidade e o assédio são demais”

Participaram do encontro:

. César Augusto: colaborador do O DIA

. Francisco Inácio (TIM) – redator

. Galdino Oliveira: Ex-presidente do Corisabbá (O visita constantemente).


terça-feira, 10 de maio de 2016

Entre o amor e o desgosto, Sinésio lembra sua passagem pelo futebol

O Diabo Loiro foi um dos grandes nomes do futebol amador de Petrolina-PE. Desgostoso com o esporte, o ex-jogador diz que não vai ao estádio há 30 anos


Fonte e Fotos: Emerson Rocha/Petrolina-PE

Em 1958 a Seleção foi até a Suécia e mostrou ao mundo o verdadeiro futebol brasileiro. Dentro do time dirigido por Vicente Feola, o menino Pelé começava a trilhar seu caminho real. No mesmo ano, mas sem o mesmo glamour, na cidade de Petrolina, no sertão pernambucano, um menino de cabelo amarelo, cheio de habilidade, iniciava sua carreira no esporte mais popular do mundo.

No América de Petrolina
Sinésio Valeriano Silva defendeu as camisas do Caiano, América e outros times da cidade, além de ter defendido uma equipe profissional do Piauí. Como muitos que jogaram na sua época, não ganhou dinheiro com o esporte. Hoje, aos 71 anos, deixa escancarada as mágoas que guarda do futebol.

– Do futebol eu nunca arrumei nada. Naquela época a gente recebia objeto. Jogava por uma bicicleta, uma geladeira. No Caiano não, lá eu tinha meu salário, porque tinha um emprego – lembra Sinésio, com certa melancolia.

A tristeza com o esporte fez com que Sinésio deletasse da memória os vários gols que marcou. Porém, olhando para a parede de sua casa, é possível ver algumas fotografias da época em que brilhava nos campos petrolinenses. O nome dos antigos companheiros saem com enorme facilidade.

– Eu não lembro dos gols que eu fiz, nem dos títulos. Tem aquele ali (apontado para a fotografia na parede de casa), foi o tricampeonato do América, mas eu já estava jogando em Teresina, mas vim botar a faixa porque eu tinha sido campeão. O que eu lembro é aquele ali, uma época boa, que tinha Rubenílson, Carlos Henrique, Elmo, Bosco, era um timaço.

A cor dos cabelos deu a Sinésio o apelido pelo qual é conhecido até hoje. O batismo foi feito por um antigo narrador esportivo de Petrolina.
O Diabo Loiro hoje

– Quem botou o apelido de Diabo Loiro foi Foguinho. Ainda hoje a maioria dos conhecidos meu me chamam desse jeito– diz Sinésio.

Dentro de campo, o Diabo Loiro infernizava as defesas, mas não tinha posição definida nas quatro linhas.

– Naquela época não existia o 4-2-4, mas a gente já fazia o 4-3-3. Eu estava na defesa, jogava como ponteiro esquerdo, como centroavante e voltava. Todo mundo jogava, não é que nem hoje. Está vendo a Seleção como está? Naquele tempo tinha futebol.

Sinésio jogou bola até 1975. O Diabo Loiro ainda teve algumas passagens como treinador, mas a experiência só serviu para aumentar as mágoas que carrega do esporte.

– Teve uma época que eu treinava o América, era final. No dia do jogo, era a última partida, Palmeiras e América, aí nós estávamos quase na hora do jogo, já nos preparando para ir para o campo, quando o presidente do América trouxe Geraldo Olinda para treinar o time. Aquilo para mim foi mesmo que dar uma facada no meu peito. Eu estava treinando o time e na última hora de botar o time em campo o cara chega com outro treinador – lembra Sinésio.

Sinesio no América

Bastante chateado, Sinésio nem assistiu ao jogo. Saiu do estádio e ficou pela rua. No final da partida, sabendo do resultado, ele lavou a alma.

– Eu não vim nem em casa. Fiquei desgostoso pela rua. Eu disse que iam perder o jogo. O Palmeiras ganhou de 1 a 0. Essas coisas assim que aconteceram eu nem gosto de falar.

Desde quando largou o futebol, Sinésio garante que não pisou mais no estádio de Petrolina. Em 30 anos, a exceção só foi quebrada em uma única vez, dada a insistência de amigos e vizinhos. Na ocasião, o ex-jogador foi ver o filho atuar pela Seleção de Petrolina.

Lembranças do Futebol

 – Para não dizer que eu nunca vi meu filho jogando, teve um jogo da Seleção de Petrolina contra o Sport Recife, que os caras pelejaram para eu ir. Terminei indo, parece que foi 1 a 1 o jogo. Não aguentei ficar até o final, no segundo tempo fui embora. Perdi o gosto – afirma o Diabo Loiro.

Sinésio conta que só acompanha o futebol pela TV. Em relação a atual situação do esporte petrolinense, o ex-jogador do Caiano não vê com bons olhos.

– O futebol de Petrolina não tem um patrocínio, não tem nada, manda buscar jogador fora. Você vê Salgueiro, que a vista de Petrolina é uma cidade pequena, mas com um futebol que representa bem.

Mesmo com o desgosto que tomou pelo futebol de Petrolina, Sinésio deve ser lembrado por tudo que fez dentro de campo. O Diabo Loiro fez gols, ganhou títulos, fez amigos, sofreu nas mãos de dirigentes. Parte desse passado, que ele as vezes prefere não contar, hoje está na parede de sua casa, em cinco ou seis fotografias.

– Eu não tinha nenhuma lembrança, me desgostei. Mas, agora que cheguei na idade, resolvi botar esses retratos, para quando eu morrer, os bisnetos saberem – conclui o Diabo Loiro.

Fonte: Globo Esporte/Globo.com

EM TEMPO:

Sinésio jogou pelo Ferroviário de Floriano por volta de 1963 a 1965, vindo do América de Petrolina.

quarta-feira, 12 de junho de 2013

RETRATOS

Naquela tarde do dia quatro de abril de mil, novecentos e setenta e três, esse time se consagrara dentro das quatro linhas do estádio Mário Bezerra, sagrando-se campeão do torneio.

O Clube de Regatas Brasil, fundado pelo piolo de bola Almeida ( irmão de Zé Tarzan ), era quase imbatível, à época. Os adversários não conseguiam superar o ímpeto daqueles jogadores habilidosos, que jogavam por música.

Na foto, observamos, em pé, o Antonio ( filho de geraldo Martins ), o Mineiro, Ubaldo ( o rasga milho ), Almir da Taboca, Almeida, Adriano, Humberto ( ou Beto, também filho de Geraldo Martins ), Severino, Pedro Evaldo, o Neto Camarço e o Milton Sá.

Agachados, ainda, Zé Buraco, Geraldo Filho, Eloneide, Vieira, Maioba, Carlito de Bruno, Mocó, o Zé Pirigo, Nonatinho ( irmão de Puluca ) e os mascotes Serginho, Gerardinho e Bob Moory.

No lance principal da partida, era pirigo de bola, o cruzamento da direita veio de Sabará, quando o zagueiro Zé Pirigo corta a pelota de cabeça, deixando o goleiro Almir sossegado, exaltando sua tranquilidade:

É isso aí, Zé Pirigo! Mantenha sempre a calma!

quinta-feira, 18 de abril de 2013

RETRATOS DO FUTEBOL FLORIANENSE


Essa foi, sem a menor sombra de dúvidas, uma das melhores formações da equipe do Grêmio Esportivo Florianense do técnico Galdino. Não tinha para ninguém, principalmente nas décadas de setenta e oitenta.
Lembramos, até, que o jogador Mocó estava começando a crescer no futebol florianense e, nesse tempo, assombrava os adversários, com as suas jogadas espetaculares, deixando a pelota nos pés para os atacantes fazerem os gols de sua equipe.

Uma outra vez, dentro do contexto do futebol florianense, o nosso professor de educação física, Abdoral, resolvera botar o seu time, o Internacional, se não me falha a memória, na disputa de um torneio local, mas no entanto o professor tinha um hábito curioso: como era dono do time, escalava ainda em campo os seus comandados. Todos ficavam tensos, chatedos e incomodados com aquela atitude do treinador, mas ele não perdoava: " o time vai jogar cumigo..."
Na foto, tirada num jogo no estádio Mário Bezerra temos, da esquerda para a direita, os piolhos Loiola, Gilson, Dias, Edmar, Pedão, Joaquim José, Zé Ulisses e o técnico Galdino em pé;
Agachados, um ataque fulminante, com Neto, Flexa, Mocó e Jeremias. Precisamos lembrar o nome do ponteiro direito. Vocês lembram?
Dessa turma, estão jogando no céu, fora do combinado, os piolhos Pedão, Joaquim José e Gilson.

quarta-feira, 17 de abril de 2013

RETRATOS DO FUTEBOL FLORIANENSE


Grêmio Esportivo Florianense - 1972

CLEBER RAMOS – BOLÃO E AMIGO!

"Quadra do Comércio Esporte Clube. Palco dos grandes eventos esportivos. Torneio de Férias de Inverno. A quadra lotada. Jogo disputadíssimo. Numa bela jogada o time Sem P. faz um a zero contra o Narciso. Cleber Ramos, calmamente, foi no fundo da rede, pegou a bola e avisou seu Guilherme: "deixa comigo!" Quando Puluca bate o centro pro grande artilheiro, ele sai driblando todo o time adversário, faz o gol e sai naquela vibração característica!" - relembra Zeca Futuca.

Cleber Ramos, florianense, filho de Valter Ramos e Dona Mirosa, seus irmãos: Valmir Ramos, Argeu Ramos, Carlos Ramos, Quinto Ramos e Décimo Ramos.

"Não vou mais ganhar roupa, nem o cinquentinha quele me dava toda vez que vinha em Floriano" - narra Cangati, com a garganta entalada.

Jogou no Grêmio Esportivo Florianense: Joaquim José, Teodoro Preguiça, Bagana, Antonio Guarda e Geremias; Bago e Babau; Janjão, Selvú, Gonzaga Preto e Nego Cleber ( Gonzaga Branco). "Era um timaço, assombrava" - conta Galdino.

Perguntamos ao famoso barbeiro Galdino se ele lembrava de algum lance que fora inesquecível?

Galdino, rápido que nem uma navalha:

- Foi no Estádio Mário Bezerra lotado, Brasil e Grêmio, o Brasil de Bucar ganhando de 1 a 0 e, depois dos 30 minutos do segundo tempo, começaram a cantar em alto e bom som: “Adeus, Ingrata”, “Adeus, Ingrata...”, foram mais de dez minutos com a mesma música, mas aos 42 minutos do segundo tempo, numa bola cruzada dentro da área, e na confusão, Cleber caiu no chão, mas não perdeu a habilidade e, mesmo deitado, deu um tapa na bola e foi no ângulo de Bucar, foi uma loucura, uma correria para abraçar Cleber. Nisso, Calistinha, treinador e diretor fundador do Grêmio, gritou: Canta Adeus, ingrata, carcamano filho da mãe (vocês sabem!).

“Na vida, só vi três jogadores fenomenais: Nego Cleber, Antonio Luis Bolo Doce e Karlaile, que jogava em Belo Horizonte”, frisou Roberto Holanda!

“Eu acompanhava o Cleber em todos jogos que ele ia participar, era um amigo, adorava vê-lo, era o seu mascote!”, comentou Dr. Dílson.

“Cleber Ramos me levou para jogar no time da cidade Senhor de Bonfim-BA, me deu todo apoio, sou muito grato , foi um amigão!” - diz Soleta.

Cléber Ramos foi um grande atacante do futebol florianense, jogou ao lado de craques, como Jolimar (irmão de Parnaibano), era uma dupla que fazia alegria da torcida, Luis Orlando, Chiquinho, Iniciou no Campo dos Artistas e jogou no Piauí de Teresina ao lado de Sima, Carrinho, Valdemir, Toinho e outros artistas da bola. Morava em Senhor do Bonfim, Bahia, onde faleceu!

Breve, uma reportagem sobre o inesquecível astro da bola.

A FOTO ACIMA É RARÍSSIMA - VALE OURO – ARQUIVO BAGANA!

GRÊMIO ESPORTIVO FLORIANENSE 1972 - ESTÁDIO MÁRIO BEZERRA.

Técnico e Fundador do Grêmio Dr. Calisto(Calistinha), Teodoro Preguiça, Joaquim José, Antonio Guarda, Geremias, Bagana e Nego Cleber Ramos(de folga); Agachados: Janjão, Nego Bago, Babau (que substituíra o grande jogador de bola Puluca, que contundiu-se durante os jogos estudantís florianense), Selvu, Gonzaga Preto e Gonzaga Branco.
 
Pesquisa: César de Antonio Sobrinho.